Vacinas

Home / Especialidades / Vacinas

Vacinação para cães

A nossa recomendação é que o protocolo de vacinação para filhotes de cães sadios tenha início em 6 a 8 semanas de idade, como auxiliar na prevenção contra Cinomose, Hepatite Infecciosa Canina, Adenovírus Canino Tipo 2, Coronavírus Canino, Parainfluenza Canina, Parvovírus Canino e Leptospirose Canina, sorotipos presentes na maioria das vacinas conhecidas no mercado como “V8” ou “V10”.

Como a presença de anticorpos maternos interfere no desenvolvimento da imunidade ativa os filhotes de cães devem ser revacinados a cada 3 ou 4 semanas até pelo menos 12 semanas de idade. Cães com idade acima de 12 semanas devem receber uma dose de V8 ou V10 e uma segunda dose 3 ou 4 semanas depois.

A resposta adequada à vacinação é diretamente ligada à competência imunológica de cada animal. Por isso, antes de iniciar a vacinação em filhotes o animal deve ser avaliado pelo clínico.

A partir da primeira dose o animal deve retornar ao Hospital mensalmente, pelos próximos 2 a 3 meses, para o reforço da vacina V8 ou V10 (total de 3 doses), assim como para a vacina contra a gripe canina (Adenovírus Canino Tipo 2, Parainfluenza Canina e Bordetella Bronchiseptica), vacina contra Giardíase (duas doses) e, no último mês, depois de 4 meses de idade, para a vacina em dose única contra a raiva.

Neste período você também receberá todas as informações necessárias de manejo e dos cuidados de medicina preventiva, que serão de extrema importância para a qualidade de vida e a longevidade de seu animal.

A partir de então, o animal é vacinado anualmente com uma dose de cada vacina (V8 ou V10, Bordetella, Giárdia e Antirrábica).

Cães que vivem em área endêmica para leptospirose ou têm contato com roedores devem receber reforço anual contra leptospirose intercalada depois de seis meses da vacinação anual.

Vacinação para gatos

A nossa recomendação é que o protocolo de vacinação para filhotes de gatos sadios tenha início em 6 a 8 semanas de idade, como auxiliar na prevenção das doenças causadas por vírus da Rinotraqueíte, Calicivirose, Panleucopenia felinas e por Chlamydia Psittaci, presente na vacina conhecida como Quádrupla Felina.

Como a presença de anticorpos maternos interfere no desenvolvimento da imunidade ativa, os filhotes de gatos devem ser revacinados a cada 3 ou 4 semanas até pelo menos 12 semanas de idade. Gatos com idade acima de 12 semanas devem receber uma dose de vacina e uma segunda dose 3 ou 4 semanas depois.

A resposta adequada à vacinação é diretamente ligada à competência imunológica de cada animal. Por isso, antes de iniciar a vacinação em filhotes o animal deve ser avaliado pelo Clínico.

Essa primeira consulta chamada de “Primeira Consulta de Filhotes” lhe dá o direito a avaliação clínica (consulta), exame parasitológico de fezes e da primeira dose de vacina, mesmo que não sejam feitos no mesmo dia. O objetivo desse protocolo é ter certeza de estarmos vacinando somente gatos saudáveis, o que irá refletir decisivamente na resposta imunológica vacinal esperada.

Para gatos de origem desconhecida ou animais de rua recomendamos, antes do início da vacinação, um exame de sorologia para as doenças FIV/Felv Felina (Vírus da Aids Felina e Leucemia Felina), devido à alta prevalência e gravidade dessas doenças para os felinos.

A partir da primeira dose de vacina o animal deve retornar ao hospital mensalmente, pelos próximos 2 a 3 meses, para o reforço da Vacina Quádrupla Felina e, no último mês (depois de 4 meses de idade), para a vacina em dose única contra a raiva.

Neste período você também receberá todas as informações necessárias sobre manejo e cuidados de medicina preventiva, que serão de extrema importância para a qualidade de vida e a longevidade de seu animal.

A partir de então, o animal é vacinado anualmente, com uma dose única de Vacina Quádrupla e uma dose de Vacina Antirrábica.